03/04/10

Quando passamos sem o mais previsível do que comandamos, para as coisas se tornarem ao nosso jeito tudo é mais fácil.
Um dia destes, quando ganhar coragem para te dizer, todas as formas de emoções que existe enquanto estás lá do outro lado da pessoa que julgas ter na mão, eu digo. É aí que tu entras, numa personagem sumidamente obscura e inocente, com uma maneira devoradora de se interpretar o pensamento vago que vagueia por entre essa única expressão, de muitas. Coloca-te no meio da questão; e pergunta-te se alguma vez te tinham mudado assim os dias, se alguma vez esperas-te que alguém esperasse por ti até ao fim. Não pois não ? Chega a um ponto, em que te encontro dentro de quatro paredes brancas pintadas por um vazio assustador e começas a matutar, no que és no presente. Como fomos capazes de nos tornar isto ? De termos a incapacidade de deixar o que era nosso numa coisa escondida, sem regresso inesperado. Em troca, guardei tudo em demasia, até os restos dos poucos dos nossos dias, das poucas das nossas noites. Não é, por acaso que existimos em pleno instante de uma coisa qualquer, de um nome propicio a mais dois porquês. Vais dizer que nunca mais te lembras-te ? Que apagas-te tantas outras coisas de que não te esqueces-te ? Mais vale o silêncio, não é mesmo assim ? Foi vingativo esse autêntico tempo, dessa aventura meia diabólica, meia perigosa. Transparece a um antes-de-ser-ontem. Por muita vontade, os instintos foram teus, as primeiras palavras foram tuas, mas os primeiros pensamentos.. esses tão inesperados foram meus, sim. Como é que era o fim disto ? Queria eu, não saber mas o teu pedaço de desleixo veio. E é uma bola redonda em que tentas brincar com ela mas não te chega ás mãos. A insuficiência se é isto ou aquilo que queres, não o sabes, apenas tens a depender de ti o destino de uma pessoa, que te promete o possível e o impossível que esta global vila tem. No fundo, quase nada do que te possa dizer é brutalmente uma realidade. A verdade não são as palavras, nem os gestos, nem o brilho nos olhos, os muitos e tantos pensamentos de manhã até ao deitar e muito menos esta frase ‘’o tempo cura tudo”. Mais de metade, são segredos, o restante mal sabes o que é. Juro, que tento retirar o que não foi bom de viver ou guardar.
Agora, transforma e censura essa maneira que me ensinas-te a sobreviver sem ti.

19 comentários:

  1. Wow, está fantástico este texto*

    ResponderEliminar
  2. Não tens nada que agradecer, ora :)
    Vou seguir*

    ResponderEliminar
  3. eu identifiquei-me tanto tanto tanto com este texto. custa não custa? custa tanto! custa perceber porquê, o porquê de continuarmos a amar assim. não pode ser. é possível alguém tão consciente acabar assim e ser capaz de deixar-nos só? e ficamos sempre sós. porque é verdade. sós. nunca, ou pouca gente, percebe, dá a mão ou serve o ouvido ao coração no mais puro dos discursos. é cansativo. amar tanto e amar sózinha quando outrora havia tudo menos solidão.
    adorei ler este texto. foi parte da tua alma, acredito. por isso um obrigada aqui da minha parte que tão bem me soube*

    cuida rápido do teu coração Sarinha

    ResponderEliminar
  4. (agora apetece-me ler este texto de novo ao som desta música. é um desanuviar do coração, sem dúvida.)

    sabes, o meu problema é ser d-e-m-a-s-i-a-d-o ingénua, frágil, inocente... demasiado eu, em todos os sentidos. o meu problema é esse. és linda. ando de coração desfeito (ando um ano de coraçao desfeito). mas tenho de levantar a cabeça. és linda. tenho a certeza. uma princesa, de certo.

    um grande beijinho*

    ResponderEliminar
  5. «Por muita vontade, os instintos foram teus, as primeiras palavras foram tuas, mas os primeiros pensamentos.. esses tão inesperados foram meus, sim. »
    QUE L-I-N-D-O ;$

    ResponderEliminar
  6. gostei muito do teu blog.

    ResponderEliminar
  7. obrigada sara, adorei ! está lindo

    ResponderEliminar
  8. tão bonito (:
    Adorei cada palavra tua

    ResponderEliminar
  9. dei e digo-te mais valeu a pena :p
    ainda bem que concordas :)

    ResponderEliminar
  10. mas digo-te já que a frase não é minha :p

    ResponderEliminar
  11. por vezes eles magoam-nos por terem medo do compromisso, de sentirem e aí preferem fugir do que assumir. adorei o teu texto :)

    ResponderEliminar
  12. és um docinho. e gostei de te ter encontrado aqui no blog. pareces-me boa menina. :)

    ResponderEliminar
  13. está muito bonito :)
    vou seguir*

    ResponderEliminar
  14. se o meu está bonito então fala-me deste teu texto !! *.*

    ResponderEliminar