07/10/10

Eu gosto é de quando me ponho a girar à volta das ruas à minha beira do pinheiral. Vejo bem a distinção do que se precisa e do que se tem e penso muito bem nas pessoas que já perdi e fiz que com que perdesse. Ás tantas é um lapso e dá para congelar e sentir aquele nervoso miudinho de alguém que sempre se serviu de argumentos para as coisas, que sempre pensou duas vezes antes de agir mesmo que fosse por impulso que depois se tratasse. É fácil ter-se a consciência limpa e pensar em sangue frio não é? Difícil não pode ser mesmo que se possa querer voltar atrás. Mesmo que saiba que podia ter feito coisas de maneira diferente e que por tudo o que está atravessado aqui na garganta, não me salta a tampa não por orgulho, que esse já o largo assim num ápice se for preciso, mas sim de como as pessoas já sem se aperceberem usam a mentira e coisas falsas com tanta facilidade. Mas também é verdade que a minha cara nem sempre diz a verdade.

3 comentários:

  1. « É fácil ter-se a consciência limpa e pensar em sangue frio não é? » adoro!

    ResponderEliminar