11/06/10

Sinto-me como se fosse aterrar num sitio cheio de sombras depois de um voo paradisíaco e muito simples, onde todos os minutos contavam como os primeiros. Vejo os últimos de perto. E a aterragem é mais dura que voar sem pára-quedas.

3 comentários: