14/06/10

É uma pancada. Eu não era assim. Não era. Sabia bem quando implorava para os valores estarem sempre no auge, isso sim estava certo e era aceitável. De um momento para o outro isso mudou, em vez dos concelhos que tinha para outros, que era tudo muito bonito na teoria, começou a cair-me rajadas fortes numa espécie de alerta para quem não deve apontar o dedo sem antes viver certas situações. Maior parte da alma está coberta no que se pode ou não fazer. E o não a partir do sim começou a dar jeito só por se pensar. Os hábitos colam-se sem quaisquer explicações, sejam elas boas ou más. Foi o tempo, em que os olhos ficaram moles. A expressão triste, era evidente. A face roubava o dia e assim cada minuto do relógio contava. Uma sucessão de contrariedades e esse era o caminho associado a muitos porquês, para dar e vender. A esperança, era imprescindível e a palavra de ordem era sempre o Coração, porque esse mesmo que seja tão vulgar por pessoa, é o elemento base que transporta o que se guarda no ponto mais fraco, o que não se controla.

6 comentários:

  1. «mesmo que seja tão vulgar por pessoa, é o elemento base que transporta o que se guarda no ponto mais fraco, o que não se controla.» está lindo, lindo *

    ResponderEliminar
  2. «De um momento para o outro isso mudou, em vez dos concelhos que tinha para outros, que era tudo muito bonito na teoria, começou a cair-me rajadas fortes numa espécie de alerta para quem não deve apontar o dedo sem antes viver certas situações.»

    é sempre fácil falar e dar conselhos, pior é quando é connosco :$

    ResponderEliminar
  3. aquele q mais mói unh? continuo à espera de textos sorridentes

    ResponderEliminar
  4. este nosso coração, tantas vezes tão contraditório e traiçoeiro!
    temos sp q estar mais atentas*

    ResponderEliminar
  5. Adorei, está mesmo lindo +.+

    ResponderEliminar